Anti-inflamatórios são inimigos do tratamento ortodôntico

Home / Notícias / Anti-inflamatórios são inimigos do tratamento ortodôntico

Como a movimentação dentária é uma espécie de inflamação no osso do dente, esse tipo de remédio torna o processo mais lento

É comum associarmos a palavra medicamentos com a cura de várias doenças, certo? Mas nem sempre é assim. Às vezes um remédio usado para uma causa específica pode atrapalhar outros tratamentos. É o que acontece com o aparelho ortodôntico. Existem alguns tipos de drogas que não colaboram com a busca pelo sorriso perfeito.

 Alguns dos anti-inflamatórios mais usados pelas pessoas e que estão nesta lista de inimigos do tratamento ortodôntico são: a aspirina, o piroxicam (ex: Feldene), o ibuprofeno (ex: Advil), diclofenaco (ex: Cataflan) e celecoxib (ex: Celebra) Foto: Robert Kneschke / Shutterstock
Alguns dos anti-inflamatórios mais usados pelas pessoas e que estão nesta lista de inimigos do tratamento ortodôntico são: a aspirina, o piroxicam (ex: Feldene), o ibuprofeno (ex: Advil), diclofenaco (ex: Cataflan) e celecoxib (ex: Celebra) Foto: Robert Kneschke / Shutterstock

Quando o aparelho faz pressão sobre um dente ele está, na verdade, causando uma reação de inflamação naquela região.

“É a inflamação que induz o osso ao redor do dente a se remodelar para possibilitar a movimentação dentária. No caso da ortodontia, a inflamação controlada não é ruim, é necessária”, diz Alexandre da Veiga Jardim, cirurgião-dentista especializado em ortodontia em Goiânia e autor do blog Ortodontia Descomplicada.

Por isso, quando você toma um anti-inflamatório para um problema muscular, por exemplo, você pode, indiretamente, estar prejudicando seu tratamento ortodôntico.

“Alguns medicamentos podem afetar a movimentação ortodôntica, pois atuam diretamente na inflamação”, diz o especialista.

“Inimigos”

Segundo Alexandre, alguns dos anti-inflamatórios mais usados pelas pessoas e que estão nesta lista de “inimigos” do tratamento ortodôntico são: a aspirina, o piroxicam (ex: Feldene), o ibuprofeno (ex: Advil), diclofenaco (ex: Cataflan) e celecoxib (ex: Celebra).

“Esses medicamentos atuam diretamente sobre o mecanismo da inflamação, inibindo-a, e isso pode tornar a movimentação ortodôntica mais lenta. No entanto, não sabemos o quanto, pois a maioria dos estudos ocorre em animais, o que torna difícil uma resposta precisa em humanos”, diz o especialista.

Um medicamento que supostamente não atua sobre a movimentação dentária é o paracetamol.

“Porém, todo paciente deve consultar seu ortodontista antes de se automedicar. O paracetamol têm efeitos sobre o fígado que não devem ser ignorados”, diz Alexandre.

Como lidar com a dor?

Mas, se os anti-inflamatórios não são indicados para quem está fazendo tratamento ortodôntico, como é possível lidar com a dor durante os primeiros dias de aparelho?

Alexandre garante que existem outras opções.

“Existem estudos que mostram que o chiclete pode ter um efeito de alívio da dor em alguns pacientes, mas é importante que ele seja adoçado com xilitol para evitar cáries. Outras pesquisas mostram que a Laserterapia pode ter algum efeito analgésico sobre os dentes sujeitos a forças ortodônticas”, diz o dentista.

Força demais também não!

Um efeito curioso é o dos corticoides que acabam acelerando a movimentação dentária. Mas engana-se quem acha que isso é uma coisa boa. Esse tipo de remédio também não é recomendado pelos dentistas.

“Apesar de se movimentarem mais rápido, esses dentes sofreram mais recidiva, ou seja, eles voltaram com mais facilidade à posição inicial. É o caso do “o que vem fácil, vai fácil”, sabe?”, diz Alexandre.

Continuem com seus remédios

Apesar de todos esses relatos acima, o dentista faz questão de deixar claro que ele não recomenda a interrupção de uma medicação já prescrita para um problema existente.

“O tratamento ortodôntico jamais deve ser motivo para que um paciente pare uma intervenção médica que está sendo realizada. É importante apenas que ele informe ao seu ortodontista sobre esse outro tratamento de saúde para que o profissional possa avaliar se isso vai ou não influenciar na terapia ortodôntica”, diz Alexandre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *